Como viver o luto

Perdi meu padrinho no ano retrasado, vítima de um assaltado em minha cidade natal. Ele foi sequestrado, teve seu carro roubado, foi enforcado e morto pelos assaltantes que queriam apenas seu carro. Ele saiu de sua casa, como fazia quase todos os dias, e foi para o ponto de táxi onde trabalhava há muitos anos, em frente à Catedral de Santo Antônio, em Guaratinguetá (SP), terra de Frei Galvão, o primeiro santo brasileiro, onde grande parte da minha família ainda reside.

O telefone do ponto de táxi tocou, e era uma chamada para uma corrida em um bairro afastado do centro da cidade. Foi a vez do meu padrinho Zé atender. Esse era o seu trabalho, o sustento de sua casa; e com o suor de seu trabalho, ele pode formar suas duas filhas. Dessa viagem, meu padrinho voltou sem vida. Por poucos trocados, por um carro, ele foi enforcado, jogado em um buraco, em lugar de difícil acesso. Foram dias procurando por ele! Que triste ver morrer assim alguém que amamos!

Como superar essa ausência? Como suportar uma perda assim?

O luto, em situações como essas, é muito importante. O luto, ao contrário do que se imagina, não faz referência apenas à reação que se tem diante da morte de alguém querido; ele é um processo relacionado a todas as perdas significativas que sofremos. De fato, cada pessoa pode reagir de uma maneira a uma perda, que para ela tenha um valor importante. Na década de 1960, no entanto, uma psicóloga suíça chamada Elisabeth Kübler-Ross (1926-2004) descreveu cinco fases que, de maneira geral, compõem o processo do luto:

Negação: a pessoa tenta negar a existência do problema ou situação; e, às vezes, evita até falar sobre o assunto. “Isso não pode ser verdade!”, pensa.

Raiva: é comum aparecer revolta e ressentimento quando a pessoa se dá conta da perda. “Por que eu?” é o pensamento recorrente.

Negociação: quando a hipótese da perda começa a se concretizar, é comum que a pessoa tente reverter a situação, fazendo um acordo consigo, com outra pessoa ou com a divindade.

Depressão: ocorre quando a pessoa toma consciência de que a perda é inevitável. Tristeza, desolação, apatia e medo são sentimentos comuns nessa fase. Não deve ser confundida com a doença diagnosticada como depressão, que envolve um desequilíbrio químico e tratamento específico.

Aceitação: é a fase em que a pessoa aprende a viver sem aquilo que perdeu. Não significa esquecer ou não sentir mais tristeza ao se lembrar do fato. Por exemplo, um pai nunca vai aceitar a morte de um filho.

Intimidade com Deus

Essas fases não devem ser vistas como obrigatórias e também não seguem, necessariamente, uma sequência. Podem, inclusive, sobrepor-se umas às outras. O mais importante é enfrentar, viver esse momento, permitir-se chorar e sentir o que for preciso, mas jamais estacionar, desistir ou entrar em desespero.

Baseando-me na minha experiência com Deus, digo mais: a intimidade e a confiança em Deus, nessas horas, é a única capaz de nos tirar completamente desse buraco.

Existe um Salmo lindo, e acredito que ele lhe fará bem. É o Salmo 18, que, em algumas traduções, pode ser o Salmo 19: “Em minha angústia, chamei o Senhor, bradei o meu Deus. De Seu templo, Ele ouviu a minha voz; o brado a Ele lançado chegou a Seus ouvidos”.

Por Paula Guimarães, via Canção Nova

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *