ESTUDO BÍBLICO 2ª SEMANA DA PÁSCOA: 10-14 de abril

TERÇA-FEIRA

João 3,7b-15

DEIXAR-NOS ILUMINAR PELA PÁSCOA (II):

SOB O INFLUXO VIVIFICANTE DO CRUCIFICADO EXALTADO

“Quando for levantado o Filho do homem, que todo o que crer tenha por Ele vida eterna”

 

Continuando nossa leitura do diálogo de Jesus com Nicodemos, notamos como Jesus põe de relevo o caráter misterioso da realização do novo nascimento pela água e o Espírito Santo.

 

Sua obra vai muito além de uma plena intelecção humana. A imagem do vento, também figura do Espírito (ruah), que é, em categorias humanas, “O vento sopra onde quer e ouves sua voz, porém não sabes de onde vem nem a onde vai” (v.8a).

 

Esta plena liberdade, docilidade e abertura para o futuro é a grande característica do homem novo: “Assim é todo o que nasce do Espírito” (v.8b). A última expressão de Jesus nos convida a deixar-nos impactar, e não simplesmente admirar-nos pela obra de Deus.

 

A frase “Como não sabes como vem o espírito aos ossos no ventre da mulher em gestação, assim tão pouco sabes a obra de Deus que tudo faz” (cf. Ecl 11,5) revela qual é a atitude que nos corresponde: a gratidão a Deus por sua obra em nós e a humildade e abandono total nele para que a leve à plenitude.

 

A nova pergunta de Nicodemos não obtém resposta. No começo ele havia reconhecido Jesus como Mestre vindo de Deus (v.2). Agora Jesus exige ser reconhecido verdadeiramente sua autoridade e que se aceite seu testemunho.

 

Não há nenhuma outra razão para manter suas afirmações, senão a qualidade de seu testemunho (v.11).  Ele desceu do céu: sabe, sim, porque é testemunha ocular (v12). Conhece as coisas de Deus. Portanto, é preciso que confiar em sua palavra.

Do diálogo de Jesus com Nicodemos aprendemos que:

  • Para poder participar do Reino de Deus é necessário um começo completamente novo;
  • Não podemos dar a nós mesmos este inicio de uma nova vida, o qual só nos é dado no Batismo do poder criador de Deus;
  • Neste novo começo não somos passivos: este exige da nossa parte a fé no Filho de Deus.

 

Porém, nem a fé é algo de ordem humana. Jesus mostra que a fé se fundamenta na prova de amor que Deus nos deu enviando seu Filho.

 

O novo nascimento de Deus e a fé no Filho de Deus nos conduzem ao sentido e à plenitude de nosso ser, à verdadeira vida que não passa. Sem este nascimento e esta fé arruinamos nossa vida.

 

Como evitar um fim absurdo, uma morte sem sentido e miserável? Como manter e assegurar nossa vida? Israel se fazia estas perguntas quando, no caminho do deserto, foi ameaçado por serpentes venenosas (Nm 21,4-9).

 

Então Deus veio em auxilio de seu povo. Encarregou Moisés de fazer uma serpente de bronze e a suspendesse no madeiro. Quem era mordido pela serpente e olhava a serpente seguia com vida.

 

Assim se aclara o significado do Filho do homem exaltado sobre a Cruz: o crucificado é símbolo de salvação, fonte de vida (3,4-5). Devemos fixar o olhar d’Ele e tratar de ouvi-lo.

 

Devemos levantar nosso olhar para ele e reconhecê-lo como nosso salvador. Não há outro caminho para a vida, nem outra possibilidade de superar a morte se não n’Ele.

 

Concluindo, a união com Jesus dá a vida. E esta união a obtemos crendo n’Ele, que é o Crucificado, abandonando-nos e confiando completamente n’Ele. Confiando no Crucificado, reconhecemos o amor sem medida de Deus e nos entramos na esfera de ação de sua potencia vivificante.

 

Para cultivar a semente da Palavra no coração:

 

  • Por que se utiliza aqui a imagem do vento?

____________________________________________________________________________

 

  • Que tipo de Mestre é Jesus?

______________________________________________________________________________

 

De onde provem seu ensinamento?

____________________________________________________________________________

 

  • De onde se tira a imagem da serpente suspensa na haste?

_____________________________________________________________________________

 

Que relação tem com a crucifixão de Jesus?

____________________________________________________________________________

 

 

 

 

 

QUARTA-FEIRA

João 3,16-21

DEIXAR-SE ILUMINAR PELA (III): ANTE LUMINOSA REVELAÇÃO DO AMOR DE DEUS NO CRUCIFICADO

“Tanto amou Deus o mundo que deu seu Filho único, para que todo o que nele crer não pereça,…”

 

O diálogo de Jesus com Nicodemos dá um giro importante: a contemplação do amor de Deus na Cruz do Filho. Afirma-se, claramente, que detrás do Crucificado está o mesmíssimo Deus, que este Deus o ofereceu e enviou por amor à humanidade inteira, preocupando-se por sua salvação.

 

A Cruz de Jesus é, desde um ponto de vista externo, um sinal de como Ele foi despojado de todo poder, de como Deus o havia abandonado, e de como a crueldade humana havia triunfado sobre suas reivindicações e sobre suas obras. Porém, na Páscoa fica claro que o Crucificado foi o enviado de Deus e n’Ele estabeleceu quais eram seus caminhos de salvação.

 

Então a Cruz permanece como símbolo do amor de Deus sem medida. Ela demonstra quão longe é capaz de ir Deus e quão longe é capaz de ir Jesus ao jogar-se pela humanidade.

 

No Crucificado Deus responde nossas interrogações: Será que Deus me ama? Meu destino interessa a Deus? Fomos criados, e logo abandonados à impassibilidade das leis da natureza e ao mesquinho jogo de poder humano? O Crucificado nos diz que Deus ama o mundo e quer sua salvação. Seu amor tem intensidade e medida tal, que se fosse possível, se deveria dizer: “Deus ama o mundo, a nós, mais que seu próprio Filho”.

 

Deus não abandonou o mundo. Antes, se compromete de tal forma que é capaz de desprender-se do mais querido e dar seu próprio Filho como dom. E mais ainda, o expõe aos perigos desta missão, que caia nas mãos dos maus feitores, que seja vítima da cegueira e crueldade destes, que seja crucificado.

 

Quanto nós valemos, aos olhos de Deus! O que Deus quer é que nossa vida não se arruíne e que alcancemos a plenitude de nossa vida. Para isto nos dá a seu Filho. Após a criação (Jo 1,2), a Lei (Jo 1,17), unida aos profetas e a tantas outras formas de sua solicitude por nós, o Filho é a última palavra, o dom mais valioso que Deus fez à humanidade. No Filho, Deus se ocupa pessoalmente de nós, nos abre o caminho da salvação e nos atrai à comunhão com Ele e à vida eterna.

Porém, Deus não busca nossa salvação sem contar conosco, nem tampouco contra nossa vontade. Requer que nos abramos a seu amor incrível e que creiamos em seu Filho crucificado.

 

Só se reconhecemos que o Crucificado é o único e predileto Filho de Deus, a potência deste amor de Deus pode invadir-nos e realizar, eficazmente, dentro de nós. Nossa vida, então, resplandece sob sua luz e seu calor. Nossa vida depende de nossa fé.

 

Como acolher a luz resplandecente deste amor, para encher-nos de sua força doadora de vida? A ele se opõe o estranho fenômeno segundo o qual os homens preferem mais as trevas à luz (cf. 3,19).

 

Há razões para fugir desta luz e para buscar a sombra das trevas, razões que residem no comportamento humano. Quem faz o mal evita, instintivamente, a luz. Quem faz o bem enfrenta a luz e não a evita, porque não tem nada que esconder.

 

Nosso agir concreto tem uma grande relação com nossa fé:

 

  • O “bem”: que fazemos segundo Deus (3,21), escutando-o, buscando sinceramente pôr em prática sua vontade;
  • O “mal” quando não agimos segundo estes critérios, quando não buscamos a Deus, mas que perseguimos em egoística autoafirmação nossos planos e nossos desejos, ainda contra a vontade de Deus (3,20).

 

Quem busca só a si mesmo, se fecha a Deus e corre o perigo de permanecer fechado ante a luminosa revelação de seu amor. Se não levamos a sério a vontade de Deus, como vamos crer em seu amor?

 

Este amor o afasta de seu próprio egoísmo e lhe faria sentir ainda mais sua própria dependência de Deus. Quem busca sempre a comunhão de Deus através das obras, está aberto à luz de seu amor.

 

Portanto, Jesus, o Crucificado, não é um pensamento, ou uma teoria, uma hipótese, ou uma fantasia, mas uma autêntica realidade histórica. Tão real é o amor de Deus!

 

 

Para cultivar a semente da Palavra no coração:

 

  • Faço idéia do amor de Deus sem medida? Para mim esse amor é decisivo?

______________________________________________________________________________

 

  • Dou-me conta de que na mensagem de Jesus tudo se fundamenta em Deus e na fé?

______________________________________________________________________________

 

  • Quem pode declarar-se sustentado pelo amor de Deus e por sua vontade de salvação?

______________________________________________________________

 

 

 

 

QUINTA-FEIRA

João 3,31-36

DEIXAR-NOS ILUMINAR PELA PÁSCOA (IV): O ESPÍRITO DADO SEM MEDIDA

 “O que crer no Filho tem vida eterna”

 

O texto de hoje fala da validade e autoridade que tem o ensinamento de Jesus a Nicodemos. Trata-se, pois, de um convite à obediência às Palavras de Jesus: Crer no Filho para que tenha vida eterna (3,36).

 

A validade e autoridade de Jesus para falar de Deus se fundamentam em três realidades:

 

  1. Vem do céu: O que vem do alto está acima de todos” (v.31).

 

Jesus procede da comunhão eterna no seio do Pai e veio ao mundo para “contar-nos” o que tem vivido nessa amorosa intimidade (1,18). Por esta razão é um testemunho direto do que ensina.

 

Ele não é como os demais mestres da terra que transmitem o que, por sua vez, receberam por meios escolares. Por vir do céu, Jesus “dá testemunho do que tem visto e ouvido” (v.32).

 

  1. Deus o tem autenticado com a unção do Espírito Santo:

 

O que aceita seu testemunho certifica que Deus é veraz; porque aquele a quem Deus enviou fala as palavras de Deus, porque dá o Espírito sem medida” (v.33-34; 1,33)

 

  1. Deus colocou em seu Filho esta responsabilidade: O Pai ama ao Filho e colocou tudo em sua mão” (3,35).

 

Por trás do amor do Pai ao Filho está, também, o amor à humanidade. Portanto, é preciso aceitar a mensagem-testemunho de Jesus. Não há desculpas para não fazê-lo.

 

O ensinamento de Jesus tem validade, uma validade que se constata por demais em sua eficácia: “O que aceita seu testemunho certifica que Deus é veraz” (3,33).

 

Jesus é a “verdade” encarnada de Deus (termo que em João traduz o hebreu “emet”, que descreve a fidelidade de Deus com seu povo).

 

A responsabilidade do homem é grande: aceitar Jesus é entrar, em seguida, nas relações com Deus que lhe levam à participação plena de sua vida. Não fazer isto é se autojulgar e se excluir da vida.

 

Aprofundemos com os nossos pais na fé:

                          

Santo Ireneu de Lyon (c. 130-c. 208), bispo, teólogo e mártir

 

O Filho revela o Pai

 

Ninguém jamais viu a Deus. O Filho único, que está no seio do Pai, é que O deu a conhecer” 

 

Desde o começo, é o Filho quem revela o Pai, porque Ele está junto do Pai desde o começo.

No tempo fixado, foi Ele quem deu a conhecer aos homens, para proveito destes, as visões proféticas, a diversidade das graças, os ministérios e a glorificação do Pai, tudo como uma melodia bem composta e harmoniosa.

Com efeito, onde há composição, há melodia; onde há melodia, há tempo fixado; onde há tempo fixado, há proveito. Foi por isso que, para proveito dos homens, o Verbo Se fez dispensador da graça do Pai, segundo os Seus desígnios.

Ele mostra Deus aos homens e apresenta o homem a Deus, preservando a invisibilidade do Pai, com receio de que os homens venham a desprezar a Deus e para que eles tenham sempre progressos a fazer, ao mesmo tempo que torna Deus visível aos homens de numerosas formas, com receio de que, totalmente privados de Deus, eles acabem por se esquecer da Sua existência.

Porque a glória de Deus é o homem vivo, e a vida do homem é a visão de Deus.

Se a revelação de Deus pela criação já dá a vida a todos os seres que vivem na terra, quanto mais a manifestação do Pai pelo Verbo dá a vida aos que vêem a Deus!

 

Para cultivar a semente da Palavra no coração:

 

 

  • Jesus é revelador. De que?

________________________________________________________________

 

  • Em que se baseia a autoridade de Jesus?

________________________________________________________________

 

  • A que faz referência à imensa generosidade de Jesus, que “dá o Espírito sem medida”?

_______________________________________________________________

 

 

 

SEXTA-FEIRA

João 6,1-15

PÃO DE VIDA (I): O SINAL DO PÃO EM ABUNDANCIA.

“Encheram doze cestos com as sobras dos cinco pães de cevada que sobraram”

 

Jesus ressuscitado nos comunica sua vida no Batismo, porém, também na Eucaristia. É por esta razão que agora começamos a ler o capítulo 6 de João.

 

O capítulo 6 do Evangelho de João tem um desenvolvimento linear que vale observar desde já:

  • Começa com o sinal da multiplicação dos pães e dos peixes (6,1-15);
  • Narra, a seguir, a travessia noturna do lago pelos discípulos em meio da tempestade (6,16-21);
  • Prolonga-se logo no discurso do “Pão da Vida” que clarifica o sentido do sinal (6,22-59);
  • E a este se responde com a decisão de “deixar” (6,66) ou de “seguir” a Jesus (6,68-69).

 

Entre o começo e o final deste capítulo, notamos um forte contraste. No começo o número dos seguidores de Jesus alcança seu número mais alto (5.000 homens; ver 6,10).

 

Depois do discurso do Pão Vivo descido do Céu, ficam somente doze como seguidores de Jesus (6,67). Com isto aprendemos que o critério que marca a ação de Jesus não é o proselitismo, mas, sobretudo e, em primeiro lugar, a missão que Deus Pai lhe confiou, sem fazer concessões às expectativas populares.

 

É assim como o relato da multiplicação dos pães, o relato introdutório da catequese sobre o “Pão Vivo descido do Céu” é uma catequese que pedirá, ao final, uma clara opção por Jesus. É, portanto, a porta de entrada de um itinerário de purificação-maduração da fé.

 

Para apropriar-nos melhor de seu rico conteúdo, vamos observar o desenvolvimento da ação no texto:

 

  • A introdução (vv.1-4) Aparecem os personagens: Jesus, sentado na montanha; os discípulos que o rodeiam; e uma grande multidão que se aproxima deles. Acrescenta-se, além do mais, que “estava próxima a Páscoa”. O fato de que a multiplicação dos pães se situa neste contexto festivo de vida e liberdade, assinala a rota pela qual temos que compreender o sinal que vai realizar-se: o dom pascal da vida de Jesus Cristo na Cruz.

 

  • O diálogo de Jesus com os discípulos (vv.5-9) À pergunta de Jesus sobre “onde” comprar pães para alimentar à multidão, dão duas respostas. Primeiro a de Filipe, que vê a intenção de Jesus como absurda. Logo a de André que, apesar de confessar a incapacidade, apresenta a Jesus um menino portador de cinco pães e dois peixes. Ao final das contas os pães são dados.

 

  • Jesus serve a mesa (vv.10-11) O pouco que se coloca nas mãos de Jesus se multiplica. Notemos três ações chaves de Jesus: (manda que o povo sente-se (Jesus organiza, pois a ideia de fundo é formar comunidade); ora ao Pai; e reparte os pães e os peixes, isto é, serve a mesa.

 

  • Jesus manda recolher as sobras (vv.12-13) O núcleo do relato está aqui. O povo ficou satisfeito. A “abundância” de pão é expressão da generosidade de Deus e da plenitude para a qual Ele quer conduzir a cada ser humano. Há pão para os presentes e também para os ausentes, há abundância, mas não há exclusão nem desperdício (“que nada se perca”).

 

  • As Reações da multidão e de Jesus (vv.14-15) O milagre supera todas as expectativas. Faz-se um primeiro reconhecimento do significado do acontecimento proclamando Jesus como “o profeta que devia vir ao mundo” (Dt 18,15-19), como Moisés (que dá pão-maná no deserto).

 

Porém, Jesus se dá conta que o querem fazer rei à força e foge. Jesus não se deixa impor nenhuma etiqueta que o prenda às pretensões populares, sacrificando o sentido de sua missão.

 

O povo não entendeu plenamente o sinal. O relato termina com a fuga de Jesus. No centro deste acontecimento o evangelista insiste em colocar a pessoa de Jesus.

 

Com a multiplicação de pães e peixes demonstra que tudo começa n’Ele e provém d’Ele, que tem capacidade para dar pão-vida a todos, e em abundância:

 

  • Tudo começa em Jesus

 

Ele atua por si mesmo, sem necessidade de que lhe dêem ordens, o realiza segundo o encargo que lhe deu seu Pai. Notemos como cada passo que se dá no relato está previsto e decidido por Jesus. Todo é uma expressão de sua missão.

 

  • Tudo provém de Jesus

 

Mesmo que os discípulos tivessem comprado pão, não seria suficiente para todos. Os cinco pães e os dois peixes do jovem, também não são suficientes. O pão abundante, em última instância, provém de Jesus.

 

  • Onde está Jesus, ai há abundância

 

A capacidade de ajudar, própria de Jesus, não está limitada a algumas pessoas ou a pequenos grupos. Não há limites para seu poder. Seu poder para dar vida o faz sem exclusões: há suficiente para todos.

 

 

Para cultivar a semente da Palavra no coração:

 

  • Por que Jesus multiplica os pães e os peixes?

________________________________________________________________

 

Que quer ensinar com isso?

________________________________________________________________

 

  • Como vivemos hoje na comunidade, família, paróquia, pastoral, o desafio que Jesus pôs a Filipe?

______________________________________________________________

 

Também nós hoje podemos multiplicar pães?

________________________________________________________________

 

  • Como entender o gesto do “jovem” que oferece seus pães e peixes?

________________________________________________________________

 

Por que seu gesto é um sinal pascal?

_______________________________________________________________

 

Que diz este gesto à sociedade neoliberal, competitiva e marginalizadora?

________________________________________________________________

 

Desde onde se constrói uma comunidade fraterna e solidária?

________________________________________________________________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

SÁBADO

João 6,16-21

PÃO DE VIDA (II): A PASSAGEM DO MAR NO MEIO DA NOITE ESCURA

“Sou eu. Não temais”

 

Depois da multiplicação dos pães, ante a pressão da multidão que “tentavam tomá-lo à força para fazê-lo rei”, Jesus “fugiu” (6,15). O povo não havia compreendido o sinal (ver 6,62).

 

Porém, parece que os discípulos, tampouco. Por isso, se narra uma cena que descreve a confusão dos discípulos: são incapazes de reconhecer Jesus que caminha sobre o mar.

 

No momento cume, na noite escura, no meio do mar agitado, vemos Jesus que por meio da revelação de sua identidade domina a tempestade, as trevas e o medo dos discípulos.

 

Nesta breve passagem encontramos muitos detalhes significativos que aparecem um após outro.

 

Prestemos atenção ao texto:

 

  • A direção que toma a viagem na barca, Cafarnaum (6,17a), é significativa: prepara o terreno no qual vai pronunciar o longo discurso sobre o “Pão da Vida” (6,69: Sinagoga de Cafarnaum);

 

  • O manto de trevas que desde o começo, reforçado com a constatação da ausência de Jesus (6,17b), não remete à frase: “Eu sou a luz do mundo, quem me segue não caminhará nas trevas” (8,12). Sem Jesus, a desorientação;

 

  • Ao faltar a luz, as ondas se precipitam sobre a barca (6,18);

 

  • Ameaçada pela tempestade, a barca se desorienta na metade do caminho, em águas profundas, a uns 5 km da margem (6,19a). Estão no lugar mais terrível;

 

  • Os discípulos têm medo quando veem Jesus caminhando sobre a água aproximando-se deles (6,19b). É compreensivo este “medo”?;

 

  • Jesus revela sua identidade aos discípulos com a expressão “Sou eu”. Sua revelação infunde confiança: “Não temais” (6,20);

 

  • Foi suficiente a palavra reveladora de Jesus para serem salvos da situação, antes mesmo de recolhê-los na barca: “em seguida a barca tocou a terra no lugar para onde se dirigiam” (6,21).

 

Como podemos notar, ao contrário dos paralelos nos outros Evangelhos (Mateus e Marcos), este relato centra-se antes de tudo na pessoa de Jesus. A revelação de sua identidade é a chave da vitória sobre o mal que ameaça a vida dos discípulos.

 

Encontramo-nos com o tema do êxodo: a passagem do mar em plena segurança. Como na primeira páscoa, as grandes ações reveladoras tratam de desvelar um mistério: “Quem como tu, Yahweh?” (Ex 15,11).

 

Aqui Jesus, que ajuda aos discípulos a passar ilesos o mar, também revela sua identidade.  E é o Nome Santo de Deus que o revela.

Jesus é muito mais que um rei terreno (6,15) que vence a fome e a opressão. Ele foi enviado pelo Pai com plenos poderes, veio para que todos tenham vida (ver 10,10), e é preciso descobrir o grande horizonte de sua obra no mundo.

 

Isto está relacionado com a compreensão do verdadeiro sentido de sua pessoa: não só tem que ver o pão multiplicado, também tem que compreender ao dar o pão.

 

E para isso, como acontece neste relato, em que se revela, mediante sua palavra que diz “Eu sou”, tem que escutar o ensinamento que vem em seguida, onde se dará a passagem do sinal do pão multiplicado à grande revelação: “Eu sou o pão vivo… que dá vida” (6,34.41).

 

Só a escuta da Palavra de Jesus permitirá enfrentar com plena confiança as tempestades da vida e chegar à outra margem.

 

Para cultivar a semente da Palavra no coração:

 

  • Que relação tem a passagem de hoje com a multiplicação dos pães e com o discurso que vem?

_____________________________________________________________________________

 

  • Quais são meus temores, desânimos e inseguranças?

______________________________________________________________________________

 

Que novas tempestades se abatem sobre a barca da Igreja nestes novos tempos?

______________________________________________________________________________

 

Quem pode tirar os discípulos do perigo?

_____________________________________________________________________________

 

  • Que faço para cultivar hábitos de escuta orante da Palavra que me permitam descobrir com mais clareza o rosto de Jesus e sua presença vivificadora em minha vida?

_____________________________________________________________________________

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *