O Irmão Simplício: “É um privilégio morrer pelos pobres”

O Brasil comoveu-se com a notícia da morte de um jovem religioso da Fraternidade Toca de Assis, o Irmão Simplício José do Menino Jesus, vítima de Covid-19, que partiu para a Casa do Pai na última sexta-feira, 29. O frei, de 28 anos, que servia na casa fraterna de Fortaleza, no Ceará, levava alimentos e conforto espiritual aos irmãos em situação de rua infectados com o coronavírus.

“Estamos aqui com nossos irmãos para não deixar que eles sofram ainda mais do que eles já padecem pelo suplicio das ruas”, disse Irmão Simplício, no vídeo postado em seu Instagram pouco antes de seu falecimento.

O religioso anos estava na UTI em estado grave desde o início da semana passada. Nos últimos dias de vida, o irmão, que era conhecido pela sua alegria e amor aos pobres, conseguiu unir em oração muitas pessoas, que se manifestaram pelas redes sociais.

“Tenho certeza de que a providência de Deus nos convocou e reuniu para exercer a missão de clamar para que ele tivesse vida em abundância, de acordo com a vontade de Deus”, disse por áudio o responsável da Toca de Assis em Fortaleza, Irmão Justino.

Ele destacou que a mensagem que recebeu do arcebispo de capital cearense, Dom José Antonio, que ajudou a comunidade a vivenciar a dor do luto: “Tão jovem e já colhido para o Céu”.

“Eu guardei muito essa palavra ‘colhido para o Céu’ e meditando sobre Pentecostes, que é a Festa da Colheita do Trigo, percebi os sinais de Deus. O irmão Simplício José foi preparado como um trigo maduro que se tornou pão para alimentar. Ele está no Céu. Temos a certeza da vida eterna e da Páscoa que o irmão fez. Ele se entregou como trigo, Simplício como o trigo e se tornou Eucaristia para tantos pobres. Somos gratos”, afirma o religioso.

Na rede social do Irmão Simplício, um áudio gravado por ele da frase de São Vicente também revela o sentido de sua existência. “É um privilégio morrer pela causa dos pobres, porque eles nos abrirão as portas do Céu”.

Um vídeo em homenagem ao irmão Simplício conta um pouco da história do religioso que ainda na infância sentiu o chamado vocacional.

“Com apenas oito anos, recebi o chamado a ser todo de Deus. Eu ansiava muito receber a Primeira Comunhão. Quando recebi Jesus na Eucaristia eu chorei muito, não entendia o que estava acontecendo, mas mesmo sendo apenas uma criança eu pude ter a certeza de que eu era todo de Deus, só não sabia aonde iria”.

Pelo convite de uma religiosa que conheceu na escola, ele foi na Toca de Assis. “O primeiro local que ela me levou foi na Capela do Santíssimo. Naquele momento eu pude encontrar comigo mesmo, olhei para Jesus e entendi o meu lugar dentro da Igreja, a minha vocação. Logo depois, eu tive contato com os pobres e pude reconhecer neles a presença de Jesus crucificado”, contou.

Na gravação, irmão Simplício também deixa uma mensagem de fé.

“Agradeço a todos os sacerdotes que trazem o Corpo de Deus até nós, saibam que a vida de cada Filho e Filha da Pobreza é consumida pelo vosso sacerdócio. Agradeço a toda Família Toca de Assis, todos os formadores, colaboradores e benfeitores que fazem parte dessa obra, obrigado pelo testemunho fiel de amor aos pequeninos”.

“Agradeço aos filhos prediletos do Coração de Jesus e do meu coração, cada acolhido em nossas casas fraternas. A todos os vocacionados e aos que pensam em entrar para a Toca de Assis eu digo: vale a pena ser de Deus, meus irmãos!”

Irmão Simplício aproveitava todas as oportunidades para servir aos pobres e também usava os meios digitais para pedir doações e orações para os irmãos em situação de rua.

O religioso recordava que as pessoas atendidas por ele valorizavam o alimento para a alma que era o acolhimento que os membros da Toca de Assis levam a homens e mulheres em situação de rua.

“Muito mais do que o alimento físico, nós estamos ali com eles, coração a coração, para sentir também a dor que eles sentem. Suplico a oração de cada um por todos nós, peçamos a Santíssima Virgem Maria que possa extirpar esse vírus de nossa humanidade, para que possamos gozar das alegrias”, disse em uma de suas últimas postagens.

A missa pelo eterno descanso do religioso foi neste domingo, 30 de maio, solenidade de Pentecostes, em Fortaleza.

 

VIA ACI-DIGITAL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *