O papa avisa: o diabo é um derrotado não se deixe enganar por ele

“O diabo é um derrotado”, “podemos dizer que é um moribundo”, mas ainda tem grande poder, grande capacidade de sedução, é como um cachorro raivoso acorrentado que tem a capacidade de morder quando vê a oportunidade. Assim o Papa Francisco o descreveu e insistiu na necessidade de não se aproximar do demônio, não dialogar com ele e refugiar-se na Virgem Maria quando ele ataca com suas tentações.

Na homilia da Missa celebrada na Casa Santa Marta nesta terça-feira, 8 de maio, o Santo Padre advertiu que “o diabo sabe quais palavras usar” para seduzir as pessoas, e “nós gostamos de ser seduzidos”.

“E ele tem esta capacidade; esta capacidade de seduzir”, advertiu. “Por isso é muito difícil entender que é um derrotado, porque ele se apresenta com grande poder, promete tantas coisas, traz presentes – bonitos, bem embrulhados– ‘Oh, que lindo!’ – mas você não sabe o que tem dentro”. “Sabe apresentar as suas propostas para a nossa vaidade, a nossa curiosidade, e nós compramos tudo”.

O diabo, continuou o Pontífice, “é perigosíssimo. Apresenta-se com todo o seu poder, as suas propostas são mentiras e nós, tolos, acreditamos. Sabe falar bem, é capaz de cantar para enganar. É um derrotado, mas se move como um vencedor. A sua luz é radiante como fogos de artifício, mas não dura, desaparece, enquanto a luz do Senhor é tênue, mas permanente”.

Francisco explicou que “devemos estar atentos a não dialogar com o diabo como fez, ao invés, Eva: ela acreditou ser a grande teóloga e caiu”. Pelo contrário, Jesus no deserto não o fez, respondeu com a Palavra de Deus. Por isso, o Papa insistiu que não se pode dialogar com o diabo: “Com o diabo não se dialoga, porque ele nos vence, é mais inteligente do que nós”.

Ao contrário, o Pontífice incentivou a buscar refúgio na Virgem Maria diante das ações do demônio. O diabo “é um condenado, é um derrotado, é um encoleirado que está para morrer, mas é capaz de fazer estragos. E nós devemos rezar, fazer penitência, não nos aproximar, não dialogar com ele”.

“E no final, procurar a mãe, como as crianças. Quando as crianças têm medo, procuram a mãe: ‘Mãe, mãe… estou com medo!’, quando sonham… procuram a mãe. Procurar Nossa Senhora; ela nos protege. E os Pais da Igreja, sobretudo os místicos russos, dizem: nos tempos de turbamentos espirituais, refugiar-se sob o manto da grande Mãe de Deus. Procurar a Mãe. Que Ela nos ajude nesta luta contra o derrotado, contra o cão encoleirado para vencê-lo”.

 

fonte: Aci digital

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *