previsões fracassadas da segunda vinda de Cristo e do fim do mundo que nunca aconteceu

 

Harold Camping falhou mais uma vez ao prever o dia do fim do mundo,Depois de prever o apocalipse em 1994 e em maio de 2011, também em outubro de 2011 e não aconteceu. Mas ele não foi o único a profetizar uma data para este acontecimento. Nos últimos séculos outros “estudiosos” previram o fim e também falharam.

A revista americana “Times” noticiou que uma das profecias mais conhecidas sobre o apocalipse que também fracassou foi a de William Miller. Em 1840, ele começou a dizer que o mundo ia acabar e Cristo voltaria, prevendo um grande incêndio entre 21 de março de 1843 e 21 de março de 1844. Mesmo mudando a data para outubro, o fim nunca chegou. Os seguidores de Miller formaram a Igreja Adventista do Sétimo Dia.

Anos mais tarde outro profeta se levantou dando uma nova data para a destruição da Terra, Joseph Smith, fundador da religião mórmon, nos Estados Unidos, afirmou a líderes da igreja em 1835 que Deus havia dito a ele que Jesus retornaria em 56 anos, o que não ocorreu.

Em 1910 a passagem do Cometa Halley também deixou o mundo em pânico, mas dessa vez a ideia do fim não veio de um religioso e sim de cientistas que diziam que a cauda do cometa tinha um gás mortal e que ele passaria muito próximo da Terra. Os ânimos só se acalmaram quando outros estudiosos se levantaram pra dizer que a passagem do Halley não afetaria em nada a vida terrestre.

Contrariando o que diz em Mateus 24,36 que afirma que ninguém, nem o Filho, sabe quando o fim chegará, o fundador da Coalizão Cristã, Pat Robertson, se levantou em 1980 para anunciar o fim. Suas palavras asseguravam que o dia do julgamento seria em 1982. Mais uma previsão falsa.

Dez anos depois surge Harold Camping com a sua primeira previsão, seus estudos iniciais apontavam que o arrebatamento aconteceria em 6 de setembro de 1994 de acordo com os mesmos cálculos que o fez sugerir uma nova data, 21 de maio de 2011, sendo assim o único “profeta do apocalipse” que falhou duas vezes.

Outra importante profecia que datava o fim da humanidade foi a de Nostradamos, seus escritos de mais de 400 anos, afirmavam que “no ano 1999, sétimo mês / Do céu virá o grande rei do terror”.

Muitos ficaram preocupados com a virada do milênio, ainda mais quando foi noticiado que muitos computadores não conseguiriam ver a diferença entre o ano 2000 e o ano de 1900. Assustados com as possibilidades do que poderia acontecer por conta do bug do milênio, muitas pessoas se suicidaram na virada do ano 1999/2000.

No século XXI já surgiram muitas outras previsões que fracassaram, mas a mais falada é a que prevê o fim da humanidade para dezembro de 2012, baseada no calendário Maia. Recentemente um antropólogo apresentou a pedra com a escrita Maia e desmentiu a história que deu origem ao filme “2012”.

 

EVANGELHO DO DIA.

Lucas 17,20-25: A vinda do Reino de Deus (I) “O Reino de Deus está dentro de você” 

Autor: Padre Fidel Oñoro C JM

Fonte: Centro Bíblico Pastoral da CELAM para a América Latina (CEBIPAL)

 

 

A história da cura dos dez leprosos é o prelúdio do ensinamento que Jesus agora dará sobre a irrupção definitiva do Reino de Deus (tecnicamente é dito “discurso escatológico”, ou para esta passagem em particular “pequeno Apocalipse Lucan”) . A conexão é natural, porque falar em “salvação” é falar da obra de Deus no resultado da história e ela tem seus tempos e seus caminhos. A revelação desses tempos e modos é importante para saber o que fazer quando isso acontece.  

 

Diante desta realidade do tempo final da obra de Deus no mundo e da própria história da humanidade (= a vinda do Reino), há uma preocupação que os fariseus representam abruptamente para Jesus: “Quando o Reino virá de Deus ”(v.20a).

 

Jesus responde ensinando primeiro dirigido aos fariseus (vs. 20b-21) e depois, a parte mais extensa, aos discípulos (vs. 22-37).

 

O conteúdo deste discurso de Jesus é dividido em duas partes: (1) o “quando” do Reino vindouro (vv.20b-25); e (2) o que deve ser feito e o que não deve ser feito para receber o tempo final digno (vv. 26-37).

 

Vamos prestar atenção ao texto.

 

 

1. O “quando” do Reino vindouro (vv.20b-25)

 

Na opinião dos fariseus, a vinda do Reino, na pessoa do Messias, era mais provável em vigor por um fato contundente, onde não havia a menor ambiguidade, como se fosse um objeto completamente definido sobre o qual se poderia dizer : “Olhe lá, não há dúvida!”

 

É por isso que a resposta de Jesus é desconcertante. A vinda do Reino implica uma oscilação nestes termos: “já mas ainda não” (a frase não é de Jesus, mas é o significado). 

 

Sobre os “Ya” (vv.20b-21).    Como foi proclamado desde o discurso de abertura e exposição do programa missionário de Jesus (em Lc 4,16-21), a salvação começou no “hoje” da obra de Jesus: “Esta Escritura que você acabou de ouvir, é Ele cumpriu hoje ”(v. 21). Portanto, a vinda do Reino pode ser reconhecida “já”, já está presente no ministério de Jesus.  

 

Ao não reconhecer o ministério de Jesus como o tempo e o local da revelação divina, os fariseus fecharam a possibilidade de revelação. Uma revelação precisa ser ouvida, interpretada e bem-vinda. É por isso que os fariseus, diante de Jesus, são espiritualmente cegos.   

 

Portanto, nos mesmos termos que Jesus, (1) “O Reino de Deus vem sem ser sentido”, (2) eles não podem dizer “veja aqui ou ali” e (3) “já está entre vocês”, isto é, está ao seu alcance, basta abrir os olhos da fé para descobri-la e experimentá-la.

 

No “Ainda não” (vv. 22-25). De fato, o Reino de Deus já está presente para todos que são capazes de capturá-lo na fé, mas não devemos esquecer – como ensinam as parábolas da semente – que ele tem uma dinâmica interna, uma progressão, que aponta para a sua consumação no futuro. O que pode ser visto no presente ministério de Jesus é humilde em comparação com a grandeza que será vista no final, na segunda vinda do Senhor. Atualmente, moramos no meio dessas duas vezes.   

 

Nessa expectativa, não faltam cuidados. Como ensina a v.22, em tempos de escuridão, típico de perseguições, alguém desejará ver pelo menos um pouco de luz, algum sinal, mas isso não será visto. De fato, as comunidades primitivas sofreram muito com isso. Eles imaginaram um retorno quase imediato do Senhor Jesus, mas o tempo passou e isso não foi feito.     

 

A procrastinação do fim da história dá origem a todos os tipos de cabalas e falsas profecias. Até muitos candidatos a “messias” aparecerão. Mas, como Jesus diz: “Não vá, nem corra atrás” (v. 23).

 

O próprio Jesus dá uma pista, que deve ser levada em consideração: “como um raio … assim será o Filho do homem em seus dias” (v. 24). A frase não deve ser tomada pelo valor de face, é uma imagem. Não é que sua aparência seja repentina como a velocidade do raio, mas como será suficientemente brilhante e visível. Não teremos que nos desgastar, então, com supostas revelações ocultas que só podem capturar privilegiados e iniciados.   

 

Jesus, no Evangelho de Lucas, ensina insistentemente que o caminho para alcançar a glória é A cruz (por exemplo: 24,26). A rejeição de Jesus e dos evangelizadores no tempo de   a Igreja, discutido no v. 25, mostra até que ponto o fim está se aproximando.

 

Para crescer a semente de palavra na vida cotidiana:

1. Quando vivemos o milênio, havia muitas expectativas falsas sobre o fim do mundo. Como interpretar toda a confusão causada por algumas pessoas e movimentos? O que temos que continuar evitando?

2. O que significa que o Reino de Deus “já” veio, mas “ainda não” atingiu sua consumação na história?

3. Como os fariseus esperavam o Messias? Como nós cristãos a recebemos?

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *