Sacerdote morre de COVID 19 após acompanhar amigo que ficou viúvo

Pe. José Ruiz foi capelão do Centro de Cuidados Paliativos Laguna em Madri (Espanha), faleceu em 31 de março de coronavírus. Contraiu o vírus ao acompanhar e cuidar de um voluntário do centro que havia perdido a sua esposa há poucas semanas e precisava de acompanhamento.

Em um artigo publicado no semanário católico Alfa y Omega, em 8 de abril, explicam que o Pe. Ruiz se contagiou antes mesmo “de saber que o voluntário estava doente” e antes da implantação das medidas de quarentena.

“Não há maior amor que aquele que dá a vida pelos amigos. Jesus Cristo vai nos dizer isso nestes dias, no Evangelho que narra a sua Paixão. Diz-nos a cada dia para que aprendamos a amar, como Ele quis. O capelão do Hospital de Cuidados Laguna, Padre José Ruiz, foi além, dando a vida não apenas por seus amigos”, assinalam.

Pe. Ruiz deu a vida “pouco a pouco, a cada dia, pelos doentes que não iam ficar curados, por suas famílias, seguindo os passos deste Deus Amor, do qual sempre falava com a autêntica paixão de um homem profundamente apaixonado aos 82 anos”.

E, como recordam do Centro de Cuidados Paliativos Laguna, “a morte de nosso capelão nos recorda que cada vida é digna do maior dos sacrifícios, por mais pobre, pequena e frágil que seja. Ele nos ensinou a semear esperança, alegria, carinho, ternura, dedicação e o tempo e os meios que sejam necessários por um doente. Tudo isso nos ensinou, e muito mais”.

“Pe. José Ruiz celebrou casamentos paliativos, casando pessoas cujo último desejo era estar juntos até o fim, embora já estivesse muito próximo. Mas também batismos de crianças muito doentes que também não iriam viver muito. Esteve no momento da dor, mas também no da alegria, porque sempre pode haver felicidade no sofrimento, quando há amor envolvido”, asseguram.

Além disso, destacam que na hora de celebrar aniversários, “ele era o primeiro em se animar para aproximar a figura amável, alegre e sorridente de Nosso Senhor aos doentes”.

“Ver o sorriso indelével de um paciente com ELA que vai morrer após ver os excepcionais artistas da Fundação Casa Patas atuando é uma experiência incrível, inesquecível”, afirmam ao recordar uma festa de aniversário organizada por don José no quarto de um paciente.

“Eu não poderia ter dito isso em palavras melhores. Caro Don José, padroeiro do sorriso e do bom humor, intercessor da amabilidade e da palavra sempre na hora certa, da piada oportuna e da profunda reflexão, da ternura e do bom fazer calado, alegre e generoso. Capelão de Laguna. Obrigado por tudo. Sempre o recordaremos”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *