SANTO ANTÓNIO, sua história e milagres

CRONOLOGIA DE SANTO ANTÓNIO

1195 – Nasce em Lisboa e é batizado como Fernando. Filho de Maria e Martinho de Bulhões.
1202-1209 – Estuda na escola da Catedral de Lisboa.
1210 – Ingressa no Mosteiro de São Vicente, dos Cônegos Regulares Agostinianos.
1212 – Transfere-se para o Mosteiro da Santa Cruz, em Coimbra, cidade que era um centro de estudos.
1217 – Os franciscanos chegam a Portugal
1219 – É ordenado sacerdote. Pouco depois conhece os primeiros frades Menores de Assis, que ele recebe na portaria do mosteiro. Fica impressionado com seu modo simples e alegre de viver.
1220 – Chega a Coimbra os corpos dos cinco frades que foram martirizados no Marrocos. Seus restos mortais são sepultados na igreja dos Cônegos de Santa Cruz.
– Ingressa na Ordem Franciscana e recebe o nome de Frei Antônio.
– No fim do ano, viagem para Marrocos. Adoece gravemente.
1221 – Na primavera, embarca de volta para Portugal, mas as tempestades arrastam o navio para o Sul da Itália. Em maio, viaja para Assis, e toma parte no Capítulo das Esteiras. Aí conhece o fundador da Ordem, São Francisco de Assis. O Provincial da Romagna o leva consigo e o envia para o Eremitério de Monte Paolo, perto de Forli.
1222 – Chama de improviso a falar numa celebração de ordenação, Frei Antônio revela tal sabedoria e eloqüência que todos ficam estupefatos. Começa, então, o primeiro período como pregador itinerante.
1223 – São Francisco o autoriza a ensinar Teologia.
1225 – Missões no Sul da França. Enfrenta duras disputas com hereges da região.
1226 – Custódio da região de Limoges, professor de Teologia e Homilética. Vida contemplativa.
1227 – Provincial da Região Norte da Itália.
1229-1230 – Pregador itinerante (Marca de Treviso e Pádua). Redige os “Sermões”.
1230 – Participa do Capítulo Geral de Assis e vai a Roma expor ao Papa os problemas da Ordem, em plena crise de identidade, crescimento e adaptação.
1231 – Prega a famosa Quaresma. Esgotado, adoece. Completa alguns manuscritos e se entrega à contemplação.
A 13 de junho, mês em que os lírios florescem, sofre um colapso. Quer voltar a Pádua, mas falece em Arcella.
1232 – Canonizado por Gregório IX, dia 30/05. É venerado como Doutor da Igreja
1946 – Ganha oficialmente o título litúrgico de “Doctor Evangelicus” de Pio XII, no dia 16 de janeiro.

Alguns Milagres:

Santo Antônio é sem dúvida o “Santo dos Milagres”. A sua taumaturgia – relação de milagres – iniciada em vida com uma pluralidade de milagres que lhe valeram a canonização em menos de um ano, é, na história da Igreja, a mais vasta e variada.

De Santo “casadoiro” a “restituidor do desaparecido”, passando por “livrador” das tentações demoníacas, a Santo Antônio tudo se pede. Citaremos abaixo alguns dos milagres operados por esse santo.

 

 

  • Santo Antonio prega aos peixes. Reza a lenda que estando a pregar aos hereges em Rimini, estes não o quiseram escutar e viraram-lhe as costas. Sem desanimar, Santo Antônio vai até à beira da água, onde o rio conflui com o mar, e chama os peixes a escutá-lo, já que os homens não o querem ouvir. Dá-se então o milagre: multidões de peixes aproximam-se com a cabeça fora de água em atitude de escuta. Os hereges ficaram tão impressionados que logo se converteram. Este milagre encontra-se citado por diversos autores, tendo sido mesmo objeto de um sermão do Padre Antônio Vieira que é considerado uma das obras-primas da literatura portuguesa.

 

  • Santo Antônio livra o pai da forca. Tinha havido um crime de morte em Portugal, onde nascera Santo Antônio. Todas as suspeitas do crime recaíam sobre o pai do santo.

Chegou o dia do julgamento. Os juízes estavam reunidos para proferir a sentença condenatória. Assentado ali no banco dos réus, seu pai não podia se defender.

Nesse momento Santo Antônio estava fazendo um sermão numa igreja da Itália. Conta-se que, em dado instante, ele interrompeu o sermão e ficou imóvel, como se estivesse dormindo em pé. Durante esse mesmo tempo foi visto na sala do júri, em Portugal, conversando com os juizes. Entre outras coisas, disse-Ihes o santo: Por que tanta precipitação? Posso provar a inocência do meu pai. Venham comigo até o cemitério.

Aceitaram o convite. Frei Antônio mandou abrir a cova do homem assassinado e perguntou ao defunto: “Meu irmão, diga perante todos, se foi meu pai quem matou você”.

Para espanto dos juízes e de todos que ali estavam, o defunto abriu a boca e disse devagar, como se estivesse medindo as palavras:

“Não foi Martinho de Bulhões quem me matou”. E tornou a calar-se. Estava provada de maneira milagrosa a inocência do seu pai. Mais uma vez a verdade triunfou sobre a mentira e a calúnia.

Operou-se aí dois fatos milagrosos, a bilocação, ou ato de uma pessoa estar (por milagre) em dois locais ao mesmo tempo, e o poder de reanimar os mortos.

 

  • Com o Menino Jesus nos braços: Outro milagre, também reportado na crônica do Santo, ocorre já no fim da sua vida e foi contado pelo conde Tiso aos confrades de Santo Antônio após sua morte. Estando o Santo em casa do conde Tiso, em Camposampiero, recolhido num quarto em oração, o conde, curioso, espreita pelas frinchas de uma porta a atitude de Frei Antônio; depara-se então uma cena miraculosa: a Virgem Maria entrega o Menino Jesus nos braços de Santo Antônio. O menino tendo os bracinhos enlaçados ao redor do pescoço do frade conversava com ele amigavelmente, arrebatando-o em doce contemplação. Sentindo-se observado, faz conde Tiso jurar que só contaria o visto após a sua morte.

 

 

 
  Santo Antônio de Pádua

O Milagre da mula

 

 

Por vezes encontramos figuras de santo Antônio com um cálice nas mãos e diante de si, uma mula de joelhos. Pois bem, vamos falar sobre este milagre:

 

Santo Antônio pregava sobre o Santíssimo Sacramento em Toulouse, sul da França, ano 1227. No meio da pregação um senhor se levantou e o desafiou, contradizendo que a presença de Cristo na Hóstia Consagrada era uma mentira.

Ele disse: – O Senhor pode discursar durante horas, mas a verdade é que os fatos reais estão contra seus argumentos. É impossível que Cristo esteja presente na Hóstia Consagrada.

Santo Antônio lhe respondeu: – Que problema há, no corpo de Cristo estar velado pelas aparências do pão e do Vinho. Conforme suas Próprias palavras.

E senhor incrédulo o desafia: – Não, não há problema. Contudo se Cristo está presente nesta Hóstia, sua presença deveria ser sentida por todas as criaturas viventes.  Então pegarei minha mula, e na próxima missa estaremos aqui diante da Hóstia e se a mula a respeitar, acreditarei no senhor e na sua fé.

Santo Antônio, após ouvir uma inspiração divina, resolve concordar com o desafio.

 

Passou-se três dias, e uma multidão se aglomerou na praça, muitos pela missa e outros tantos para conferir o resultado do desafio do homem infiel. Enquanto Santo Antônio caminhava com o Santíssimo Sacramento e todos os católicos se colocavam de joelhos rezando. O senhor infiel chega conduzindo sua mula, a qual maliciosamente foi privada de alimento durante os últimos dias. Faminto, o animal estava tão violento que nem o próprio dono obedecia. Contudo, ao se aproximar do Santíssimo, a mula se acalmou, e diante de todos ali presentes, milagrosamente a mula se ajoelhou perante a Hóstia Consagrada ostentada por Santo Antônio.

 

O Milagre gerou gritos e admiração por todos, os católicos entoaram cânticos emocionados. Muitos hereges que ali estavam por curiosidade se converteram ao catolicismo, assim como o senhor dono da mula que reconheceu imediatamente a presença de Cristo, se ajoelhou também se convertendo ao catolicismo após ter pedido perdão por ter sido tão incrédulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *